quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

TOP 50 ÁLBUNS 2013


1 – “The Maureens” – THE MAUREENS
2 – “Something My Heart Understands” – THE PINE HOLLOWS
3 – “False Ties And Nice Hoods” – PETER FEDOFSKY
4 – “Throw Money” – GLENN CASE
5 – “Soft Will” – SMITH WESTERNS
6 – “Novel And Profane” – WYATT FUNDERBURCK
7 – “Gleeson II” - GLEESON
8 – “Pop Motion Animation” – GREG POPE
9 – “The Maze” – DAVID BROOKINGS
10 – “Someone For You” – WARM SODA

11 – “Get Some Action” – RADIO DAYS
12 – “Everything Changes” – EYTAN AND THE EMBASSY
13 – “Elephants Into Swans” – THE SUN SAWED IN 1/2
14 – “New Lion Terraces” – CORIN ASHLEY
15 – “Above, Beyond And In Between” – LISA MYCHOLS
16 – “Heart Vs Mind” – BRYAN ESTEPA
17 – “Super De Luxe” – ATTIC LIGHTS
18 – “Eric Barao” – ERIC BARAO
19 – “Life & Rhymes” – PHIL ANGOTTI
20 – “…Play Good Music!” – THE YUM YUMS

21 – “The Golden Age” – JOEL SARAKULA
22 – “Lots Of The Pops Vol. 1: Caught In A Sweet Refrain” – THE TOR GUIDES
23 – “Familiar Stranger” – BOB EVANS
24 – “The Discovery” – BUBBLEGUM ORCHESTRA
25 – “The Name Of These Girls” – GOODFELLOWS
26 – “13 In My Head” – NICK PIUNTI
27 – “Homesick” – CHRIS PRICE
28 – “Don’t Know What Happiness Is” – LIVINGSTONE DAISIES
29 – “Get Up” – WIRETREE
30 – “Four” – ANDREA PERRY

31 – “Let It Rock!” – THE CONNECTION
32 - “Namaste” – SAM’S INSTANT BAND
33 – “The Color Of Day” – LAMAR HOLLEY
34 – “Heal The Earth” – THE TIME TRAVELLERS
35 – “Azalea’s Room” – 8X8
36 – “Vaudeville” – CHASE HAMBLIN & THE ROUSTABOUTS
37 – “Hot Dogs On Tuesday” – PAINT 31
38 – “Cinnamon” – AGONY AUNTS
39 – “Rings Around The Sun” – VEGAS WITH RANDOLPH
40 – “The Nines” – THE NINES

41 – “We Are You” – ANY VERSION OF ME
42 – “Poplar Music” – DYNAMO BLISS
43 – “Hi-Flying Dreams” – BANG 74
44 – “Welcome Sucker To Candyland” – GRU
45 – “Pop, Baby” – ADAM DANIEL
46 – “A Break In The Weather” – THE CHARLIE WATTS RIOTS
47 – “Obscuriosity” – STEPHEN LAWRENSON
48 – “Drake, Near The Alley” – GARY RITCHIE
49 – “You Should Be Happy” – THE JUNIOR LEAGUE
50 – “Together We’ll Get Through” – SHANE LAMB

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Top 50 Álbuns 2012


1 – “New Songs Old Stories” – LANNIE FLOWERS
2 – “All That Is The Judes” – THE JUDES
3 – “Throwback Pop” – KEVIN MARTIN
4 – “Pinstripes, The Sky” – RYAN LERMAN
5 – “Daffy’s Elixir” – BRYAN SCARY
6 – “Cabin Fever Songs” – JUSTIN KLINE
7 – “Dream Good” – CLIFF HILLIS
8 – “Strawberries & Chocolates” – THE TOR GUIDES
9 – “Summer Holiday” – MARTY GRAVEYARD
10 – “Charm” – SITCOM NEIGHBOR

11 – “The Anatomy Of An Apricot” – 8x8
12 – “Mess Of Happiness” – JAY GONZALEZ
13 – “Soundshine” – DAVID MYHR
14 – “Pictures From The Past” – ANGEL KAPLAN
15 – “s/t” – GRAHAME STEINBERG
16 – “Wunjo” – OBERON ROSE
17 – “Plymouth Rock” – THE MAYFLOWERS
18 – “Olympus Sound” – PUGWASH
19 – “More Songs About Her” – SECRET POWERS
20 – “On High” – GAVIN GUSS

21 – “I, II, III” – SUNDAY SUN
22 – “Ignition” – SHOES
23 – “Strange Heaven” – MRS. MAGICIAN
24 – “Researching The Blues” – REDD KROSS
25 – “Shot Glass Souvenir” – THROWBACK SUBURBIA
26 – “Shipwrecked Commotion” – PAUL STARLING
27 – “Nuevo Plan” – DESCONOCIDOS
28 – “Go Fly A Kite” – BEN KWELLER
29 – “Moonlighting” – THE HONEYMOON STALLIONS
30 – “Calidad De Vida” – LUKAH BOO

31 – “Brand New Beat” – KURT BAKER
32 - “Springlevend” – THE KIK
33 – “Touchy/Feely” – FRANK BANGO
34 – “A Matter Of Time” – ANY VERSION OF ME
35 – “Próxima Estação” – VOLVER
36 – “Summer Wilderness Program” – JON LINDSAY
37 – “Outside” – JEFF LITMAN
38 – “Hollows And Rounds” – WHITEJACKET
39 – “BGO II” – BUBBLEGUM ORCHESTRA
40 – “Shrink” – THE BLOOD RUSH HOUR

41 – “Grand Hotel” – THE EXPLORERS CLUB
42 – “Paper Trails” – DROPKICK
43 – “Now Is The Time” – THE LEMON CLOCKS
44 – “Reading Too Much Into Things Like Everything” – THE SCHOOL
45 – “Out Of The City” – THE SEASONGS
46 – “Elba” – JP CREGAN
47 – “Martha” – THE MIKE BENIGN COMPULSION
48 – “Let Your Free Flag Fly” – THE SUNCHYMES
49 – “Get Yer La La’s Out” – CHRIS RICHARDS & THE SUBTRACTIONS
50 – “Big Adventure” – PEELGREENS

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Top 50 Álbuns 2011

1 – “After Nights Without Sleep” – CURTAINS FOR YOU
2 – “Uplands Park Road” – CIRRONE
3 – “Nada Pasará” – ROGER SINCERO
4 – “What Every Rose Grower Should Know” – SECRET POWERS
5 – “Vessels” – BRYAN ESTEPA
6 – “Always On The Run” – AN AMERICAN UNDERDOG
7 – “How Strange It Seems” – BRENT CASH
8 – “Time Cuts The Ties” – DROPKICK
9 – “As Far As Yesterday Goes” – THE RED BUTTON
10 – “Give A Tree Your Name” – FEEDBACKS

11 – “Playing Into Your Hands” – KELLY’S HEELS
12 – “Tomorrow Never Knows” – PETER BALDRACHI
13 – “Dudes” – DAVID MEAD
14 – “Hum, Sing… Repeat” – GARY RITCHIE
15 – “Hidden Symphonies” – MARCO JOACHIM
16 – “Longplayer” – LONGPLAYER
17 – “Volume II” – SMITH & HAYES
18 – “In Transit” – THE WELLINGTONS
19 – “Rockin’ For A Living” – KURT BAKER
20 – “People And Places” – PHIL ANGOTTI

21 – “World-Class Faker” – JOHN LAPRADE
22 – “Ocean Blue Sky” – GREG POPE
23 – “Illustrated Bird” – THE HANGABOUTS
24 – “Pretty Escape” – DELETED WAVEFORM GATHERINGS
25 – “On The Way” – TONY COX
26 – “Beatlesque Three” – ALAN BERNHOFT
27 – “S.O.S. Songs From Outter Space” – THE BRASS BUTTONS
28 – “Electro De Perfecto” – MIKE VIOLA
29 – “Make Up” – WIRETREE
30 – “Better Here” – SHANE LAMB

31 – “October House” – JODEE PURKEYPILE
32- “Thirty People Away” – TAMAS WELLS
33 – “Above The Blue” – VEGAS WITH RANDOLPH
34 – “A Life In Letters” – THE FIRE APES
35 – “Mi Universo” – COOPER
36 – “The Last Place” – ARMY NAVY
37 – “Sky Full Of Holes” – FOUNTAINS OF WAYNE
38 – “Wellgreens” – THE WELLGREEN
39 – “The Kids Don’t Wanna Bop Anymore” – THE BREAKDOWNS
40 – “Soundtrack” – DWIGHT TWILLEY

41 – “Bigger Than This” – MIKE BARNETT
42 – “Out Of This World” – BUBBLE GUM ORCHESTRA
43 – “Some Hope” – DC CARDWELL
44 – “A Moment Away” – THE BEAGLE RANCH
45 – “Noises From The Cat Room” – VIE
46 – “Yin & Yanxiety” – MICHAEL OLIVER & THE SACRED BAND
47 – “Secret Place” – BABY SCREAM
48 – “Peace City West” – STEVE CRADOCK
49 – “Who Do You Think You Are?” – MEYERMAN
50 – “Things That Shine And Glow” – TROLLEY

quinta-feira, 28 de julho de 2011

"Time Cuts The Ties": DROPKICK!

E os meninos da Bretanha do norte continuam sonhando... imaginando que suas melodias podem atravessar o Atlântico, impregnar o mundo, e porque não, levar algo de alento a quem precisa. No seu nono álbum, os escoceses do Dropkick voltam inspirados e inspiradores, embebidos na sua doçura habitual e confirmando uma capacidade impressionante para produzir belas canções. Ainda mais se considerarmos que o trio lança, religiosamente, um CD por ano.

“Let Down Again”, que abre o disco, parece uma encarnação do finado e saudoso Elliott Smith: de beleza estonteante, tem a maciez questionada pelo ataque das guitarras. Os irmãos Andrew e Alastair Taylor e Ian Grier, como bons escoceses que são, gostam da lapidação perfeita do seu arsenal de canções pop. Capricham nas melodias e entregam refrãos memoráveis como em “Everything Changes” e, na acetinada balada acústica “Home”, os vocais angelicais acalmam corações.

“Nowhere Land” vai na batida dos violões, pontuada por notas de piano e aeradas harmonias vocais. É clara a influência dos conterrâneos do Teenage Fanclub, e, na dúvida, só conferir a perfeição pop de “Hold On” ou “Two Of Clubs”. “It’s Time” imprime pegada power pop e a belíssima canção título nem consegue destaque em meio a profusão de beldades sonoras.

E, como dizem, se sonhar não custa, os ventos sopraram e as melodias do Dropkick sobrevoaram um oceano para, suavemente, aportar por aqui.

http://www.dropkickmusic.co.uk/

quarta-feira, 22 de junho de 2011

"Beatlesque Three" - ALAN BERNHOFT!

Não que o título esteja querendo um abrigo para justificar a semelhança; ele é deliberado e apenas deixa claro que preza a homenagem. Você pode dizer que os Beatles não precisam de mais uma prova de admiração, mas eu te digo que a força de um legado é irrefreável. Beatlesque Three, algo como “À La Beatles Volume 3”, emula sim os quatro de Liverpool, parece sim o som que faziam... mas, e daí? Alan Bernhoft gosta de compor inspirado pela cartilha beatle e nós adoramos ouvi-lo. Ponto.

No terceiro disco da série Beatlesque, o músico de Los Angeles – que toca todos os instrumentos e grava tudo no A.I.M Studios (que fica no... seu quarto!) - continua dando de ombros para a crítica mainstream (que o chamaria de ‘pastiche’), para os puritanos (que o chamaria de ‘copista’), e, sinceramente, eu faço trancinhas virtuais com minhas rugas de preocupação. O que importa aqui não é medir relevância artística, grau de ousadia ou as doses de inovação. Simplesmente sentir o quanto as melodias podem dizer algo a você.

E não se importe com a qualidade da gravação, porque o registro é caseiro, sem grandes produções. Procure o quanto os raios de “Sunny Sky” – faixa que abre o álbum – podem iluminar seu dia entediante: a simplicidade de seus coros vocais, a ingenuidade saudável da sua melodia e o estalar de dedos ritmado, podem colocar as coisas no lugar. Já “Everybody Smiles” eleva o tom emocional com uma certa graça: é o que seria a faixa de Ringo Starr do disco.

Em “Civilization” baixa a incrível força melódica e emocionante de John Lennon, a modo de “Mind Games”, com a diferença que o mundo a se mudar é do tamanho da sua sala de estar. “Miss Vonnie” vem macia na batida do piano, na voz doce de Bernhoft e, de repente, encaixa um refrão adorável e irresistível no meio do seu queixo. Jogos de vocais vindos diretos dos anos sessenta exercem o poder de ficar ecoando algumas horas no seu cérebro em “So Shine Away”.

Um terno vibrafone traz a balada - quase uma canção de ninar - chamada “Chun Li” (a versão chinesa de Yoko Ono?) antes do piano de Alan mostrar outra linda canção inspirada em Lennon: “Colliding Circles”. Podem dizer que simula “Imagine”, mas eu não estou interessado, conheço muito bem a obra dos Beatles e de John Lennon solo.

Estou bem mais preocupado em deixar que estes acordes e melodias - descidos dos céus - preencham algumas lacunas emocionais que estão lá, só esperando por isso. Ah, e antes que eu me esqueça, o álbum se encerra com “Honey Love” que sim, parece com “Honey Pie”. E daí?

http://www.alanbernhoft.com/

segunda-feira, 13 de junho de 2011

"Vessels" - BRYAN ESTEPA!

Hoje é uma inspiradora e agradável manhã de um domingo outonal, em uma cidade encravada entre os trópicos. É meu aniversário de casamento, o que não faz necessária qualquer sugestão de que seja um dia especial. Então estou aqui, sentado de frente para um jardim que balança ao sabor do vento e que parece fazer questão de combinar seu verde esmeralda com o azul profundo do céu. Mas eu resolvi trapacear a natureza e pus um disco para tocar e sugerir assim que a vegetação ali fora dança enfeitiçada pelo ritmo das canções.

Eu coloquei o novo álbum de Bryan Estepa, porque se é para justificar que as plantas se dispõem a acompanhar as nossas músicas, que seja algo especial.Vessels se apresenta como o terceiro disco do Australiano de Sydney, e, sem dúvida, seu trabalho mais inspirado. E eu convido a todos para sentar em círculo e ouvir o cantor-compositor aplicar suas doses de pop sessentista, de folk, de soft rock, de power pop.

A encantadora “Won’t Let You Down”, com seu refrão memorável e um Fender Rhodes trocando passos com o piano, só precisa de duas audições para você sair cantando por aí. E o mundo volta a girar para ouvir guitarras acústicas sendo cortejadas por um órgão Hammond sem pudor, só para Estepa oferecer o belo refrão em “Hard Habits”. E eu vejo lá fora, claramente, as árvores acompanhando com os galhos, os arbustos batendo palmas e o vento soprando junto as harmonias vocais de “Tongue Tied”.

O difícil para o coro verde vai ser acompanhar o tom emocional que Estepa dá às suas canções: ele canta com o coração, e isso já é raridade levando em conta que metade da população mundial carrega uma pedra dentro no peito. Ouça então a beleza de “Purple Patch”, que é amplificada pelo Hammond de Tim Byron e pela gaita de Jadey O’regan. Mas vamos deixar Bryan tocar a sua balada sentimental “Pull Ourselves Together”, porque ele tem muito a dizer mesmo que você não entenda uma palavra de inglês.

“Alone” contagia na batida energética, backings perfeitos, órgão invocado, palminhas sixtie e esperto jogo de guitarras. E vamos passeando pela delicadeza eloqüente de “Let It Go”; pela doçura com toque country e refrão colante de “First Impressions”; e o classicismo em tons norte-americanos de “Shade”. “Instincts” vem nos lembrar que Bryan Estepa conhece muito bem os meandros de como dar poder ao pop e “Unglued” simula a sensação universal da desilusão amorosa, que pode não ser uma realidade agora, mas certamente um dia já foi.

“Ball And Chain” fecha Vessels em altura suficiente para meu jardim acompanhar animadamente o ritmo empolgante da canção. E eu reparo que não há vento nem brisa lá fora... apenas uma onda de canções vindas de longe em um dia muito, muito especial.

http://www.bryanestepa.com/

www.myspace.com/bryanestepa

segunda-feira, 30 de maio de 2011

"City Love": THE BAUDELAIRES!

Por Daniel Arêas

O pop dos sixties, óbvio, exerceu e ainda exerce forte impacto nas gerações que se seguiram. Para quem ainda tem dúvidas quanto a isso, basta ver os recentes e concorridíssimos shows de Paul McCartney e Teenage Fanclub no Rio e em São Paulo. O culto ao pop sessentista, atualizado pelas guitarras do power pop, atravessou as décadas seguintes e, sem fronteiras, espalhou-se pelo mundo. Chegando eventualmente, claro, ao Brasil. Há – felizmente - ótimas bandas power pop espalhadas pelo país, e aqui estamos falando de uma delas, The Baudelaires, vinda de Belém do Pará, e de seu mais novo trabalho, o EP City Love.

Andro (vocal e guitarra), Marcelo (vocal e guitarra), Ariel (baixo) e Bruno (bateria) vêm demonstrando em seus trabalhos - Lonely Youth, de 2009 e School Days, de 2010, ambos lançados em formato físico, e o EP Little Rino, de 2010, em formato digital – que possuem todas as virtudes indispensáveis para uma banda power pop: capacidade pra compor melódicas canções pop que cativam o ouvinte de cara, e a competência e a alma necessárias pra tocá-las. E acertam nas influências e referências. Tudo isso pode ser percebido em City Love.

A ótima faixa que abre City Love, “Say You Want Me”, tem um refrão tão potente que é por ele que a canção se inicia, e deverá agradar tanto a fãs dos Posies (fase Dear 23) quanto a seguidores do Superdrag. A seguir, vem “Pam”, que caberia perfeitamente em algum disco do Weezer. Possivelmente a melhor do disco, “Time” inicia suave, com belos vocais emoldurando a letra sensível, segue num crescendo até desembocar no poderoso refrão, apoiado em uma parede de guitarras abrasivas.

A balada acústica “Oh, Girlfriend” remete às contribuições de Raymond McGinley para os discos do Teenage Fanclub. Outra canção acústica, “Teletransportation Now” tem uma irresistível inclinação beatle e excelentes vocais em falseto. Depois da bela faixa-título, o disco fecha com uma boa faixa bônus, “Proud Losers”.

Os rapazes pretendem lançar outro EP no final do ano, e juntá-lo ao City Love para formar um disco completo. Mas você não precisa esperar até lá: ao fim deste post, você encontra um link pra baixar, gratuitamente, o City Love. Pra você que já conhece e curte o som dos Baudelaires, é satisfação garantida. E se você ainda não conhece...a hora é essa !!

http://www.4shared.com/file/QRj-xoxD/The_Baudelaires_-_City_Love__2.html